Artigos

É só impressão ou a campanha ainda não acabou?

Escrito por Luiz Carlos Leitão

Acompanhando as redes sociais tenho a nítida impressão que ainda estamos na campanha para presidente da republica de 2014. De um lado a oposição publicando verdades, meia-verdades e mentiras, buscando desqualificar quem, bem ou mal, foi democraticamente eleito. De outro lado a situação publicando verdades, meia-verdades e mentiras, buscando demonstrar erros de adversários na clara tentativa de jogar um pano de fumaça para esconder os desmandos do atual governo.

Isso me gera uma enorme indignação, pois cada lado busca defeitos no concorrente para justificar sua atual posição. Na campanha ainda entendo, faz parte do jogo político frágil que formatamos. Entre pessoas ligadas aos candidatos e partidos, também entendo. Cada qual com o rigor de seus interesses egoístas. Mas no seio da população em geral não consigo entender.

Passada a campanha, vencidos e vencedores deveriam se unir com o único propósito de se construir um Brasil melhor. Devíamos estar atentos e vigilantes pelo que ocorre a partir do reinicio do novo mandato, observando cada detalhe, apoiando o que vem de bom e condenando aquilo que vem de ruim. Bom seria se tivéssemos a consciência de que ladrão é ladrão, corrupto é corrupto, independente de qual lado esteja ou a qual partido político pertença. Maravilhoso seria se cada um, dentro de sua área de atuação, buscasse o melhor. Apoiasse os bem feitos e atacasse os mal feitos. Teríamos um país mais justo e com melhores possibilidades a todos.

Os meios eletrônicos acabaram virando um mecanismo de se destilar ódios, rancores e frustrações. A falta de ambiente verdadeiramente democrático se escancara em determinadas opiniões. Isso faz mal para a cidade, para o Estado e para o País. Siglas partidárias há muito não me encantam mais, prefiro olhar as pessoas e investir em suas capacidades.

A partir daí, caso vá bem, voto novamente. Em indo mal, assumo meu erro e mudo meu voto. Agindo bem, recomendo. Agindo mal, ignoro. Fora isso, apenas torço para que as instituições funcionem bem, que haja transparência no ambiente público, que os bons políticos se reelejam, que os maus percam seus mandatos e que os corruptos sejam devidamente colocados na cadeia. Além, é claro, de torcer que as campanhas durem apenas e tão somente o período das campanhas e os governos durem o tempo apropriado para cada governo. Sem golpes e sem intervenções. De resto…. “viva a democracia”.

×