Artigos

Os ensinamentos da CPI da Covid

Escrito por Luiz Carlos Leitão

Que essa Comissão Parlamentar de Inquérito é uma aberração, imagino que ninguém mais tenha duvida. Que ela caminha de forma vergonhosa, desproporcional e arrogante também é de fácil visualização. Que ela se transforma em um novo capítulo a envergonhar nosso já combalido Senado Federal é público e notório, ao menos para as pessoas com um mínimo de sensatez e senso comum.

Mas o que não podemos deixar de reconhecer é que ela é um sucesso de bilheteria. A visibilidade que tem dado a figuras conhecidas de nossa Republica é algo estrondoso, apesar de ofender de morte, nossos queridos e amados palhaços, quando chamada de CPI do Circo.

A CPI não se atém ao rigor técnico da investigação e faz discurso político, inclusive nos questionamentos, por isso se perdeu e caiu num descrédito absoluto.
E a parte mais dolorosa disso tudo é que nossa Suprema Corte sanciona essa aberração, pois além de determinar sua instalação, proibiu a convocação de governadores e prefeitos, verdadeiros responsáveis pelo estado deplorável que a saúde pública atravessa, e Ministros do Supremo Tribunal Federal discutem detalhes processuais com parlamentares, por telefone inclusive, como exemplo tivemos o fato envolvendo a aplicação de Habeas Corpus Preventivo. Meu Pai! Isso é republicano? É solene?

O que está havendo ali não tem nada a ver com o Direito, com o parlamento e com o Estado Democrático de Direito. Interpretações estapafúrdias de um direito que não existe. Todos atropelando juntos o devido Processo Legal.
É aí que me pergunto, onde está nossa elite jurídica brasileira? Juristas de órgãos representativos, por favor se manifestem.

Ademais a linguagem utilizada pela cúpula da CPI é chula e desrespeitosa, a todo momento ocorrem atos de indisciplina com manifestações indecorosas. A pessoa que senta ali para depor, entra num estado de tortura psicológica a depender do direcionamento de sua fala. Parece, também, que existe um fetiche especial em desrespeitar as mulheres, somando-se a tudo isso, as conversas de malandro utilizadas o tempo todo.

Percebe-se nitidamente que poucos tem compromisso com a verdade e boa parte é absolutamente despreparado. Apuração dos fatos, busca de provas, solução dos mal feitos? Pura hipocrisia, nada nesta CPI pode ser levado a sério. Não importa onde esteja a verdade, o que importa é a narrativa e o uso politico que possa ser utilizado.

Ali se demonstra claramente como anda nosso sistema jurídico, pois vemos Advogados, Promotores, Juízes, Desembargadores que, devido seu campo ideológico, defendem os absurdos gerados nesta vergonhosa Comissão Parlamentar de Inquérito e o mais assustador, os órgãos oficiais não se manifestam, não gritam, não esperneiam diante dos infindáveis absurdos cometidos. Realmente isso tudo é assustador e desalentador.

Mas o grande “xis” de toda esta questão está, principalmente, na qualidade de nosso voto. Observando as figuras que compõem aquele parlamento, acabo por me indagar de como é que conseguimos eleger figuras tão nefastas e cabulosas para nos representar. Como é que permitimos pessoas de tão baixo nível serem alçados ao Congresso Nacional? Como aceitamos pessoas que, há décadas, acusadas de corrupção, continuem elevadas à condição de nossos legisladores?

Naturalmente, tudo que aqui escrevo é retirado de vozes de minha cabeça, mas entendo que realmente esta situação política em que vivemos é profundamente lamentável e cabe sim uma bela reflexão por parte do nosso querido eleitorado brasileiro.

×